José Pereira da Rosa

Endereço:
Sombrio
Santa Rosa do Sul, Santa Catarina 88.965-000
Brasil

Descrição

Poucos são os leitores que sabem de peculiaridades sobre o nascimento de sua cidade. Santa Rosa do Sul, situada no eixo administrativo denominado de AMESC – associação dos municípios do extremo sul catarinense - por exemplo, já recebeu o nome de Morro das Mortes. A sesmaria adquirida por Manoel Rodrigues da Silva por volta de 1730 seria dois anos depois palco de assassinato de dois imigrantes que passavam pela região e isso originou seu primeiro nome: Morro das Mortes.

Tudo a ver com a história do município - até no sobrenome as coincidências dão evidencia de compromisso e carinho para com as causas públicas - José Pereira da Rosa tem uma participação fundamental na história de formação da nova cidade com a dimensão exata que precisa ser mostrado.

Seu nascimento foi registrado a 31 de julho de 1947, filho ilustre da família coordenada pelo senhor Nascimento José da Rosa e senhora Maria Pereira da Rosa – os quais José Pereira – o Juquinha como todos praticamente o conhecem – desenvolveria um papel filantrópico do mais alto teor, orquestrado drasticamente pelo destino. A história é assim decorrida: Em função do desaparecimento precoce de seus progenitores, coube a ele o encaminhamento moral, educacional e profissional de seus nove irmãos. Este homem abriu mão de todos os seus próprios objetivos para doar-se completamente ao amparo de seus irmãos. Para se ter uma idéia de suas dificuldades, quando sua mãe falecera em 1974 ele completava 23 anos de idade e seu irmão mais novo tinha apenas 5 anos de idade. Muitos acreditam que este é o fato mais marcante de toda sua vida, fato reconhecido com toda justiça por todos os familiares.

Em suas lembranças mais remotas - identifica o pai como homem visionário para os negócios - que nos idos anos 1950 e 1960 instala na região a primeira fábrica de refrigerantes que se tornaria conhecida em todo o sul catarinense. Com o falecimento do pai ele próprio chamou para si toda responsabilidade para continuidade dos negócios, que permaneceriam por alguns anos como fabricante para depois vir ser distribuidor de bebidas de diversas marcas. Por mais de vinte e cinco anos se manteve naquele negócio, até que em 1991 veio dedicar-se e estabilizar-se no ramo dos transportes. No início do novo milênio veio estabelecer-se no ramo de compra e venda de automóveis, instalando uma bem estruturada loja denominada como JUCA AUTOMÓVEIS.

Como bom cidadão e sensível às causas sociais; esteve naturalmente acionando projetos sociais e religiosos por toda a comunidade. Em uma de suas mais importantes realizações, destaca-se a fundação e construção do Estádio de Futebol Manoel Nascimento, que foi um dos mais destacados atletas do futebol vargeano regional; estando na cabeça do Esporte Clube Cruzeiro do Sul como seu Presidente.

Nenhum outro em sua família havia até então exercido um cargo político. Ele foi o precursor de todo esse movimento dando início a tudo o que viria depois ao filiar-se em 1976 ao legendário MDB. A partir daquele momento se elegeu vereador por Sombrio representando sua comunidade por dois mandatos consecutivos tendo na emancipação de Santa Rosa do Sul seu principal objetivo.

Com a emancipação e integração na Comissão Provisória seu nome vinha se projetando de forma tal a ser lembrado para compor a chapa majoritária juntamente com o correligionário e amigo José Aquino Isoppo o qual seria prefeito para o primeiro e histórico mandato da cidade, tendo ele o privilégio de ser o seu Vice Prefeito.

A vida lhe faz justiça por todas as suas conquistas pessoais e políticas colocando-o em 1993 como prefeito de todos os santa-rosenses, tendo como comple-mento de chapa o não menos popular José Moacir Bez o seu Vice Prefeito. Após quatro anos de um governo elogiável, o Prefeito José Pereira da Rosa deixa o cargo passando a ser apenas o Juquinha que todos conhecem. Alguns descontentamentos o mantiveram afastado da política por muitos anos e acabou deixando o PMDB. Em 2006 uma nova chama se acende aquecendo novamente seu coração de homem público sequioso por realizar novos empreen-dimentos com a aproximação das eleições de 2008. Filiou-se ao PSDB e foi prota-gonista de uma das mais acirradas disputas eleitorais do município. A vitória esteve ao alcance das mãos, contudo a história acabou sendo descrita pela diferença de votos: Apenas 89 votos os separou da reeleição.